Review: Jack In The Box

Vitória Roque

Revisado por: Isabella Teles e Laura Mello

Nesta sexta-feira (15), J-Hope lançou seu primeiro álbum solo, denominado “Jack In The Box”. Composto por 10 faixas, o trabalho inclui “MORE”, música já conhecida pelo público; e “Arson”, o mais novo single da era.

Desde o anúncio do trabalho, o artista tem preparado o público sobre o que está por vir – foram lançadas imagens conceituais, teasers e mais. No entanto, mesmo com toda a preparação, o álbum surpreende até os mais familiarizados com o seu repertório.

Isso acontece porque, em “Jack In The Box”, J-Hope busca uma autorreflexão e distanciamento de sua habitual persona alegre e esperançosa. Aqui, ele mostra toda a maturidade artística que adquiriu desde o lançamento de sua mixtape em 2018, “Hope World”. Como resultado, o ouvinte pode se deparar com um projeto que é igualmente coeso, experimental e diverso.

Acompanhe o faixa a faixa:

A faixa que abre o álbum é “Intro”. Como o nome indica, esta é uma introdução para a jornada na qual o público é convidado a embarcar. Não há vocais aqui, e sim uma narração: é possível ouvir um fragmento da história da Caixa de Pandora, que traz como moral a importância da esperança para a humanidade. “A esperança deu às pessoas a vontade de continuar vivendo em meio à dor e ao conflito”, diz a narradora.

A introdução conecta-se diretamente com a segunda faixa, “Pandora’s Box”. A canção possui uma atmosfera misteriosa e apresenta o rapper e cantor em um momento de introspecção, comentando a origem de seu nome artístico. Entre seus versos interpretados de maneira afiada, também há uma conexão com o próprio título do projeto: Jack-in-the-box. Trata-se de um brinquedo que consiste em uma caixa com uma manivela, que quando girada revela uma figura, sendo geralmente um palhaço ou bobo da corte. No entanto, a revelação dessa figura é uma surpresa; o que, no contexto do álbum, pode ser interpretado como o desejo de J-Hope em “sair da caixa”.

A artista Somablu compartilhou em sua conta no Instagram a caixa de música “Jack in the box”, presente que foi dado aos convidados da Pre-release Party de J-Hope.

Em sequência, há “MORE”. A música havia sido apresentada como um pre release, e se encaixa perfeitamente na progressão do disco. O ponto alto é o refrão, que mostra os vocais guturais do cantor, em paralelo a um instrumental carregado pela guitarra. É uma das faixas mais experimentais e inovadoras do projeto: a ambição narrada nos versos de J-Hope se junta a uma mescla de sonoridade de hip-hop old school e rock.

“STOP” e “= (Equal Sign)” mostram um vislumbre do idealismo e consciência social do artista. A primeira traz uma reflexão de J-Hope sobre a natureza das ações humanas, em uma faixa que se destaca por sua variedade de flows. Já a segunda é um tributo às diferenças; e os ouvintes poderão se deleitar com os vocais relaxados que o cantor entrega, em uma performance não tão habitual de sua parte.

“Music Box : Reflection” é uma interlude, que oferece uma experiência mais imersiva. A produção remete a – como o nome já indica – uma caixinha de música, e é possível ouvir a respiração do artista transitando de um lado para o outro (característica que fica mais evidente ao escutar com fones de ouvido). 

A faixa faz a transição para “What if…” que continua a oferecer a atmosfera assombrosa da interlude. Essa é uma das músicas mais introspectivas de todo o projeto. “Eu me pergunto mil vezes, eu sou realmente assim? Esperançoso, otimista, sempre com um sorriso no rosto”, questiona J-Hope ainda no início da canção. Em certos momentos, a letra explicita confissões sinceras e, até mesmo, dolorosas. Subsequentemente, “Safety Zone” tem uma sonoridade mais leve, mas não abandona a melancolia de sua antecessora. A melodia é agradável e tranquila, entretanto a letra leva a canção para uma área bem mais profunda e íntima.

“Future” também é melódica, mas um pouco mais otimista. Aqui, o artista conclui que o que está à frente é sempre imprevisível e, portanto, é necessário ter fé e coragem para caminhar em direção ao futuro. 

Por fim, há “Arson”. A última faixa do álbum também é a mais visceral e intensa. Ao analisar-se a mensagem, é evidente o porquê de ela receber destaque como um single – a música possui a mesma paixão e ambição de “MORE”, e acrescenta uma atmosfera de desordem que é magnética.

Em resumo, “Jack In The Box” é uma maneira forte e marcante de J-Hope lançar-se como solista. É um disco surpreendente e sincero, mas que, ainda assim, possui as principais características do artista.

3 Comentários

  1. Análise maravilhosa!

  2. Pingback:Jimin lança seu primeiro álbum solo e toma conta dos charts – B-Armys Acadêmicas

  3. Pingback:Esperando, Esperança – B-Armys Acadêmicas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MUITO MAIS

Capa do álbum do Jungkook do BTS, sem camisa. ele está centralizado com um fundo verde com escritas em dourado e em verde escuro.
Visual
Closer to Golden: Breve análise visual de “Standing Next to You”

Com o lançamento de Golden, o Painel Visual se reuniu para iniciar uma jornada de análise das produções do nosso Golden Maknae em seu primeiro álbum solo. Em “Closer to Golden: Breve análise de ‘Standing Next to You’” vamos explorar as referências visuais e cenográficas do MV de “Standing Next to You”.

Leia Mais