[Army with Letter] Investigação de detalhes construtivos: Base da estrutura

Cabine do Army With Letter iluminada no meio da noite
Imagem 01: Divulgação do projeto em 2019. Fonte: “BTS Brasil On”.

Autora: Nathália Escobar
Revisado por: Isabella Teles, Laura Mello e Bianca Ribeiro

Oiii amiiis, tudo bem? Eu espero que sim!!!

Depois de falar de maneira mais ampla sobre os projetos do Weverse: “FlyTXT” e “Army with Letter” no texto anterior, iniciaremos uma série de conteúdos sobre alguns detalhes construtivos relacionados aos projetos. Mas se você ainda não sabe do que se trata ou não entendeu, continua aqui que vamos fazer uma recapitulação rápida. Ou,  dê uma lida na parte 01 para saber mais:  “Army with Letter: A divulgação através de uma construção temporária”

Antes, uma observação: assim como falado na primeira parte, por se tratar de uma obra em que não foi divulgado nenhum documento oficial de sua construção, apenas poderei levantar hipóteses a partir das fotos e vídeos divulgados pela imprensa e pelos fãs.

RECAPITULANDO

Imagem 02: Seoul Marina Club & Yacht. Fonte: Seoul Marina Club.

No texto anterior vimos que o Weverse instalou a cabine no clube de iatismo, Seoul Marina Club & Yacht, cujo responsável pelo projeto é o escritório de arquitetura EGA GROUP.

Imagem 03: Render 3D do projeto, vista projetada do lado externo. Fonte: EGA GROUP.

Conforme visto na imagem do projeto (imagem 03), a ideia era que se criasse uma área para apresentações ao ar livre, utilizando a tipologia de teatro de arena e, de quebra, um espaço livre que  as empresas pudessem alugar.

Segundo um dos itens do artigo 17 da lei coreana Ordinance on Building sobre edifícios temporários (imagem 04), esses tipos de construções não podem necessitar da criação de uma nova infraestrutura, como elétrica e hidráulica para funcionar. Além disso, devido a essa mesma lei, a empresa optou por fazer a cabine com estrutura metálica.

Imagem 04: Artigo 17 do “Ordinance on Building” que fala sobre as obras provisórias. Fonte: Seoul Legal Administration Services. 

Levando isso tudo em conta, a Weverse na época investiu nos projetos “FlyTXT” para o grupo Tomorrow X Together e o “Army with Letter” para o grupo BTS. O que saiu de ambos os projetos foi uma cabine com decorações diferentes para cada um.

Imagem 05: Ambas as cabines, “FlyTXT” e “Army with Letter” respectivamente. Fonte: Nur Farahiyah e txtsfan.

A partir das diversas observações da cabine em si, meu primeiro interesse sobre os projetos foi a base dela, a estrutura metálica que ajuda na sustentação de tudo.

DETALHES E HIPÓTESES: Base da estrutura

Partindo para observar a estrutura, percebi que os perfis metálicos da base que fazem a esquadria eram diferentes, não somente na fachada frontal, mas também nas outras três vistas¹. 

Imagem 06: Vista frontal (esquerda) e Vista posterior (direita). Em vermelho, mostrando que os perfis não estão no mesmo alinhamento, um lado mais alto do que o outro. Fonte: Nur Farahiyah; Fandom e Afins.
Imagem 07: Vista Lateral Esquerda (esquerda) e Vista Lateral Direita (direita) mostrando que os perfis não estão alinhados, de uma ponta mais alta do que a outra. Fonte: Farina Jo; Seoul Marina Club.

Nas imagens acima, ao perceber que uma das pontas da base estava mais alta do que a outra, a minha primeira impressão foi a questão da distorção de imagem, sabendo o quanto isso influencia na sua  leitura.

Porém, pesquisando outras fotos e vídeos, pude entender que não estava tão enganada. A base toda está com as pontas com alturas diferentes, como podemos perceber nas imagens anteriores 06 e 07, e também na imagem 08.

Imagem 08: Observa-se a base da vista posterior, o lado esquerdo sutilmente mais alto do que o lado direito. Fonte: zzyyun

Na vista frontal, observei que os perfis metálicos da base estavam com alturas diferentes e o primeiro degrau também estava torto. No GIF 01 e na imagem 09, tracei três linhas: A linha vermelha é a nossa “linha do horizonte” e serve como guia na foto. Já as linhas amarela e azul, são as  responsáveis por ligar um ponto ao outro. A linha amarela pega a ponta da base e a azul pega o perfil lateral de um lado para o outro. 

GIF 01: Vista Frontal. As linhas guias ligam um ponto ao outro. Elaboração própria. Base: Nur Farahiyah.
Imagem 09: Usando a linha base da cor vermelha traçada a 90º pelo cursor. A linha amarela e azul usando o cursor livremente, apenas ligando as pontas. Diferença de 1º (um grau) entre a linha vermelha e amarela, feito com o programa “NanoCAD”. Elaboração própria. Base: Nur Farahiyah.

Além disso, utilizando o programa de projeto 2D, notei que existe uma diferença de um grau que é sutil, porém por conta dessa diferença a altura do espelho² ficou alinhada com a espessura do bocel³ do primeiro degrau da escada.  

Entretanto, o fato das alturas dos espelhos serem diferentes é preocupante, pois pode causar alguns acidentes:

“As escadas devem possuir a mesma medida do espelho e do piso em todos os seus degraus para manter um ritmo ao usuário, já que este, ao utilizar esse espaço de circulação vertical entra num ambiente instável, onde precisa gerar uma extensão muscular da perna adequada para controlar com segurança o movimento do centro do corpo de massa enquanto descer” [Bosse; Oberlander; Savelberg; Meijer; Bruggeman; Karamanidis, 2012. apud Gastaldi; Castilho, 2013. p.100]

Ainda utilizando a mesma imagem de vista frontal, acabei me perguntando: e se os projetistas deixassem na mesma altura do beiral, a parte inferior da esquadria (estrutura de janela)? Para tirar a minha dúvida fiz um teste deixando os perfis na mesma altura. 

Com o GIF 02, pude perceber que, provavelmente, eles pensaram nas fotos do ARMY e na decoração dos projetos, pois se reduzissem o frame que está em vermelho, a decoração dos dois projetos provavelmente iria ser alterada. Se houvesse uma redução do frame, as faixas penduradas iriam perder o impacto visual das escritas que vão do piso ao teto. As pessoas não veriam os papéis dobrados logo de cara e os fãs teriam que se aproximar mais da cabine.

GIF 02: Vista frontal. Caso os perfis da esquadria ficassem na mesma altura, o que causaria na estrutura? E nas fotos?. Elaboração própria. Base: Nur Farahiyah.

Entretanto, a minha pergunta principal foi qual o real motivo das pontas da base terem ficado com as alturas diferentes. Em resumo, cheguei a quatro hipóteses:

  1. Distorção da imagem: Toda imagem tem uma distorção, principalmente, porque depende da lente da câmera e do posicionamento. O que cria uma angulação e perspectiva diferente em cada  fotografia;
  2. Declividade do piso: Por ser uma área externa, os projetistas precisam pensar no caminho que a água pluvial percorre. Então, a lógica do Ega Group seria apenas em fazer com que o piso tenha uma leve declividade para o escorramento da água da arquibancada para a grama. E assim, a ponta mais alta estaria compensando a declividade e mantendo, visualmente, o alinhamento da laje da estrutura;
  3. Cabeamento pelo piso: Pela necessidade de levar energia elétrica para a cabine, os cabos estão colocados dentro da estrutura para não ficar aparente para o público. Havia, possivelmente, uma necessidade de mais espaço para guardar e esconder a parte elétrica: cabos, fontes, LEDs etc;
  4. Criação de perspectiva: Cheguei a me perguntar se a intenção era puramente fotográfica ou estética, pois nota-se que as fachadas laterais têm a base com altura diferente da base na fachada frontal.

    Como um teste da terceira hipótese, no GIF 03, percebemos que ao traçar as linhas virtuais da perspectiva, uma das linhas da cor vermelha não se encontra no mesmo ponto de fuga.
GIF 03: Hipótese 3. Perspectiva da foto original, em vermelho as linhas de fuga que encontram na linha do horizonte (em amarelo). Podemos perceber que uma das linhas não se encontra no primeiro ponto de fuga, criando assim, um segundo ponto. Elaboração Própria. Base: Kyoung Eun

Porém, ao notar que a linha não se encontrava no mesmo ponto de fuga, alterei a mesma imagem e segui o traçado da linha partindo do primeiro ponto de fuga, eliminei o segundo, como podemos ver no GIF 04.

GIF 04: Hipótese 03. A perspectiva da foto foi alterada. Em vermelho, as linhas de fuga que se encontram no ponto de fuga, na linha do horizonte (em amarelo). Elaboração Própria. Base: Kyoung Eun

Referente à última hipótese, é interessante observar que mesmo com as alturas diferentes, não gera um incômodo visual, ainda mais se for vista lado a lado (imagem 10).

Imagem 10: Fotografia original e alterada, lado a lado. Elaboração Própria. Base: Kyoung Eun

De qualquer forma, minhas considerações são parciais. Na primeira hipótese, a distorção da imagem ainda existe, conforme notei ao olhar outras fotos e percebi que elas realmente estão com alturas diferentes.

Acredito que a segunda e terceira hipóteses sobre a base podem ser as mais próximas do  verdadeiro motivo, pois estruturas metálicas são consideradas estruturas pré fabricadas4

Já em relação à última hipótese, com a criação de perspectiva para a fotografia das pessoas, acredito que ela realmente foi pensada, principalmente, na vista frontal, com a escada sendo um espaço instagramável. 

Bom, acredito que com o segundo texto da série de estudos dos detalhes construtivos, já adianto que há vários outros pontos interessantes a serem explorados, principalmente, se você tem interesse em construção civil!!!

Espero que gostem, até breve Army💜

Glossário

¹ Vistas: Termo que vem do desenho técnico em que utilizamos para designar as projeções chapadas de um objeto no qual o observador analisa e desenha. Há quatro tipos de vistas: frontal, lateral (podendo ser lateral direita ou esquerda), posterior e superior. Muitas vezes é utilizado para descrever as faces de um objeto ou edifício; 

² Espelho da escada: Termo técnico dado para a altura do degrau de uma escada;

³ Bocel da escada: Pode ser chamada também por nariz ou pingadeira de uma escada. É um termo que designa a borda saliente, geralmente sua espessura é a mesma do revestimento que é colocado na pisada (que é a parte horizontal, onde é pisado);

4 Estruturas pré fabricadas: Estruturas fabricadas fora do local da obra, em usinas e fábricas que utilizam normas técnicas e padrões para a produção das peças.

Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MUITO MAIS

Bangtan Universe
A Narrativa Visual Na Linguagem Cinematográfica De Matrix No MV N.O do BTS

Acerca de algumas discrepâncias históricas, que não nos parecem estar de acordo com os princípios que tanto falamos e ouvimos em nosso meio social, devemos manter nossas dúvidas guardadas dentro de uma prateleira e esperar elas serem reveladas? Ou ainda devemos manter um senso crítico e questionador, que para uma sociedade moralista, o seu posicionamento seja subjugado como “rebelde e imprudente”?

Leia Mais
Bangtan Universe
Os sonhos de resistência e a Revolução dos Bichos contra as imposições coletivas

Em suma, “A revolução dos bichos” faz críticas à regimes totalitários e aponta a hipocrisia dos governantes que burlam as regras para benefício próprio. Observa-se que o livro demonstra os jogos de poder dos porcos, critica a censura e a manipulação das massas que ocorre com os animais. A educação mostra-se como um fator determinante na sociedade do livro, pois auxilia na compreensão da política e traz mais oportunidades.  

Leia Mais