Crônica: Será que estão preparados ao efeito ARMY?

Autora: Nathália Escobar
Revisão por: Elinaete Sabóia e Julyanna Ribeiro 

Cá estou eu pensando sobre os organizadores de eventos que trabalharam em reunir e acolher o fandom… ELES NÃO ESTÃO PREPARADOS. Muitos de nós pensamos que o show é somente o que está acima do palco, toda a iluminação, todo o cenário é o conteúdo das performances, mas a plateia é o visual, o que finalmente a HYBE entendeu e passou a valorizar.

Depois que veio a pandemia, eles perceberam que mostrar os cartazes, os memes, as maquiagens e os looks dos fãs — embora não seja uma estratégia nova — valoriza e aproxima os mesmos com os artistas. Ou seja, a quarta parede, que é a separação entre o palco e a plateia, finalmente foi quebrada? Sim, e faz tempo. A dinâmica de um show é diferente de uma peça de teatro, a quarta parede existe, mas é quebrada constantemente e o BTS sabe fazer isso muito bem.

Mas o que é o efeito ARMY nesse texto? O efeito ARMY é nada mais e nada menos que a criatividade e organização do fandom em frente às propostas da HYBE e do BTS. Na turnê mundial Love Yourself, é possível observar que as câmeras pouco mostram os projetos que a plateia propõe. A famosa bandeira brasileira em 2019, claramente é um ponto curioso, ninguém esperava e ficou marcado no coração de muitas pessoas que estavam presentes no show e daqueles que não foram. E embora ainda não citado, outro exemplo disso, é a expressão I Purple You, que nasceu justamente da interação artista-fã. Já pensou se os ARMYs do Muster ARMY ZIP 2016 não tivessem levado os papeizinhos roxos?… A nossa cor poderia ser bege!! 

Imagem 1: Fandom utilizando o ARMY Bomb com o papel roxo, no Muster ARMY ZIP 2016. Fonte: Facebook.

Acredito que com a pandemia, e com os shows virtuais, como o Muster: Sowoozoo 2021, em que mesmo assistindo por telas, os ARMYs e os gritos apareciam, mostrando então, a importância da participação da plateia nos shows, mesmo os virtuais e depois da turnê Permission to Dance — On Stage, acarretou a decisão de mostrar para as telas o efeito ARMY. Nós estamos cada vez mais sedentos em participar do show, nem que seja com um cartaz.

Imagem 2: Controle sob as cores das ARMY Bombs  pertencentes ao fandom para ter o efeito visual na turnê Permission to Dance – On Stage. Fonte: Twitter

Mas, porém, contudo, todavia, porque raios não estão preparados para o efeito ARMY, se é justamente o que eles estão esperando? Porque a criatividade do fandom não se limita no cartaz, na tiara ou na própria roupa e tenho certeza de que novas necessidades vão surgir a partir disso, talvez uma nova maneira de posicionar as câmeras ou talvez um palco extra onde somente o ARMY suba e que dance junto com eles. O céu é o limite!

O ponto crucial disso é que a dinâmica ARMY-BTS é, em grande parte, sobre surpreender um ao outro e tenho certeza que depois dos shows que ocorreram em 2021, se eles não estiverem espertos, o próprio fandom levará um projetor que transmitirá hologramas dos ARMYs que estão em casa ou então, ir mais além do que eu estou pensando. Por fim, tudo é uma questão de saber sobre até onde darão espaço para o efeito ARMY fazer parte do cenário, das músicas, dos fanchants, das roupas e da diversão toda. E é por isso que eles não estão preparados, bem pelo menos, não ainda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MUITO MAIS

Bangtan Universe
A Narrativa Visual Na Linguagem Cinematográfica De Matrix No MV N.O do BTS

Acerca de algumas discrepâncias históricas, que não nos parecem estar de acordo com os princípios que tanto falamos e ouvimos em nosso meio social, devemos manter nossas dúvidas guardadas dentro de uma prateleira e esperar elas serem reveladas? Ou ainda devemos manter um senso crítico e questionador, que para uma sociedade moralista, o seu posicionamento seja subjugado como “rebelde e imprudente”?

Leia Mais
Bangtan Universe
Os sonhos de resistência e a Revolução dos Bichos contra as imposições coletivas

Em suma, “A revolução dos bichos” faz críticas à regimes totalitários e aponta a hipocrisia dos governantes que burlam as regras para benefício próprio. Observa-se que o livro demonstra os jogos de poder dos porcos, critica a censura e a manipulação das massas que ocorre com os animais. A educação mostra-se como um fator determinante na sociedade do livro, pois auxilia na compreensão da política e traz mais oportunidades.  

Leia Mais