… plumas caem como flocos de neve em uma face tranquila de querubim.

Figura 1: Jimin sorri para as penas que se desprenderam de travesseiros e pousam em seu rosto
Fonte: Pinterest. Acesso em: 02/10/2020

Pego em uma Mentira

Autora: Maria da Glória Oliveira do Rosário
Revisado por: Livia Castelo e Julyanna Ribeiro

“Diga-me / Com o seu doce sorriso / Diga-me / Como um sussurro, diga no meu ouvido / Não seja como uma presa / Seja suave como uma, como uma serpente / Mesmo que eu queira me desviar” (Jimin et al., 2016), assim se inicia “Lie”, música tema da personagem interpretada por Jimin no Bangtan Universe (BU). Essa estrofe carrega intertextualidade com o mito veiculado dentro das religiões abraâmicas que explica a criação. De acordo com a Bíblia (Starniolo, 1991):

A serpente era o mais astuto de todos os animais do campo que Javé Deus havia feito. E ela disse para a mulher: “É verdade que Deus disse que vocês não devem comer de nenhuma árvore do jardim?”. A mulher responde para a serpente: “Nós podemos comer do fruto das árvores do jardim. Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus disse: ‘Vocês não comerão dele, nem o tocarão, do contrário vocês morrerão’”. Então a serpente disse para a mulher: “De modo nenhum vocês morrerão. Mas Deus sabe que, no dia em que vocês comerem o fruto, os olhos de vocês vão se abrir, e vocês se tornarão como deuses, conhecedores do bem e do mal”.
Então a mulher viu que a árvore tentava o apetite, era uma delícia para os olhos e desejável para adquirir discernimento. Pegou o fruto e o comeu […] (Gen 3:1-6).

Serpente em hebraico vem do termo nahash, palavra ligada à prática da adivinhação. Nahash é, portanto, tanto um nome para serpentes, dragões e víboras quanto para aqueles capazes de revelar mistérios ocultos. A narrativa de Jimin no BU, é importante que se frise, está fortemente marcada pela mentira que ele conta sobre não se lembrar do ocorrido no Arboreto Grass Flower¹ quando tinha oito anos (BIGHIT, 2019).

No entanto, Jimin se lembra; ele sabe que viu naquele dia uma criança trancafiada, vítima de maus tratos e, possivelmente, constantes abusos (BIGHIT, 2020). É por isso que a letra de “Lie” (JIMIN et al., 2016) carrega tanta angústia e mais de uma vez faz alusões à mentira e perda de inocência, além de conter um pedido de socorro:

(Ah, woo woo)
Fique longe longe de mim
Fique longe de mim
(Ah, woo woo)
Algo, por favor, me salve
Por favor, me salve

É interminável, mesmo se eu tentar fugir
Eu caí em uma mentira

Pego em uma mentira
Me encontre quando eu era puro
Eu não posso estar livre dessa mentira
Me dê de volta meu sorriso

Pego em uma mentira
Me tire deste inferno
Eu não posso estar livre dessa dor
Me salve, eu estou sendo punido

No short film de “Lie” (2016), Jimin nos é mostrado dentro do que aparenta ser um hospital psiquiátrico. Ele está sendo filmado e em determinado ponto faz gestos de negação, depois o sorriso que tenta sustentar se arruina (Figura 2); Jimin está escondendo algo e, como a letra da canção sugere, isso o sufoca (Figura 3).

Figura 2: Jimin reafirmando suas falsas alegações de que está bem ao sorrir para a filmagem em “Lie”.
Fonte: Youtube
Figura 3: No trecho da coreografia é possível ver gestos de sufocamento.
Fonte: Youtube

Quanto à sensação de ter a respiração afetada pelo acúmulo de segredos, a letra de “Lie” (JIMIN et al., 2016) nos conta: “Eu ainda sou o mesmo, o mesmo que sempre fui / O mesmo eu de antes está aqui  / Mas essa mentira cresce mais e mais / Está ameaçando me engolir”. Um dos símbolos mais constantes do BU em relação a Jimin é a água. Água que, de acordo com o Diccionario de los símbolos (Chevalier; Ghueerbrant, 1986), costuma significar bênçãos, mas na narrativa da personagem de Jimin ganha uma conotação negativa. Assim, é com frequência que assistimos cenas de afogamento, a exemplo do music video de “RUN – Japanese Ver” (2016) no qual Jimin se debate dentro de um caixão de vidro que nem ao menos está completamente cheio de água, mas ainda assim o desespera (Figura 4).

Figura 4: Jimin preso no caixão de água, tentando sair para não se afogar.
Fonte: Youtube.

E, se por um lado a água ganha um significado ruim, o guarda-chuva, que no Diccionario de los símbolos (Chevalier; Ghueerbrant, 1986) simboliza se esquivar de responsabilidades e evitar a independência, no BU reflete o inverso: na Loja Mágica, Jimin troca a foto do Arboreto Grass Flower (Figura 5), seu maior medo, por um guarda-chuva (Figura 6) que o auxiliará a enfrentar seus temores ao lhe abrigar da água que materializa a somatória de seus problemas. Essa mudança nos é mostrada em “‘FAKE LOVE’ teaser 1” (2018), vídeo sobre a técnica psicodramática de substituir um medo por uma atitude positiva.

Figura 5: Jimin entregando ao lojista a materialização de seu medo.
Fonte: Youtube
Figura 6: Jimin recebendo um guarda-chuva em troca da fotografia do Arboreto Grass Flower.
Fonte: Youtube

O short film de “Lie (2016) também contém a maçã dourada que, na mitologia greco-romana, Héracles é incubido de roubar do Jardim das Hespérides. As variações do mito concordam sobre Gaia ter presenteado Hera com o fruto da imortalidade e fonte de juventude eterna que a rainha do Olimpo plantou em seu jardim, fazendo brotar uma árvore de maçãs douradas que era cuidada pelas ninfas do entardecer, as hespérides, e vigiada por uma serpente (Ovídio, 2021).

Em Demian (Hesse, 2016), Sinclair tem parte de sua inocência corrompida ao afirmar que roubou de um pomar de maçãs para assim convencer os garotos que o atormentam de que é um deles. Trata-se de uma mentira, ele nunca cometeu o delito. É, no entanto, enredado em chantagens que fazem com que essa mentira passe a, numa paráfrase da letra de “Lie” (Jimin et al., 2016), crescer mais e mais, ameaçando o sufocar. Sinclair deve se submeter aos caprichos daqueles para os quais mentiu e que agora ameaçam revelar seu suposto crime, enquanto Jimin, tão logo morde a maçã durante “Lie” (2016), acaba tendo uma crise de epilepsia (Figura 7) — doença adquirida após o trauma que passou no Arboreto Grass Flower e, portanto, intimamente ligada às verdades que ele não quer contar.

Figura 7: A mordida na maçã dourada e a crise de epilepsia.
Fonte: Pinterest. Acesso em: 02/10/2020 

Desse modo, é importante se deter no fato de que o short film de “Lie (2016) se inicia com um trecho de Demian (Hesse, 2016) sobre a casa da mãe e do pai ser, para Sinclair, como um reino familiar convertido em uma rotina de rigor e recompensa sintetizada em bom comportamento e idas à escola. Jimin, durante o The Notes 1 (BIGHIT, 2019), é categórico ao se pronunciar sobre estar conformado com sua vida no hospital: “não houve evento dramático ou incidente memorável. Eu só continuei a desistir de mim mesmo pouco a pouco […]. Parei de chorar e de desejar ir lá fora em algum momento. Eu parei de correr em direção à porta do corredor” (BIGHIT, 2019, p. 104, tradução minha).

Em resumo, o conjunto multimídia que compõe “Lie” é manchado por tons de desespero controlado. Talvez por isso machuque-nos escutar os tons agudos da voz de tenor lírico com a qual Jimin canta que caiu em uma mentira. Soma-se a isso os ares angelicais de cenas do short film nas quais plumas caem como flocos de neve em uma face tranquila de querubim (Figura 8). Acaba por ferir o ARMY que justo nosso pequeno anjo cante sobre temas tão difíceis de digerir e que a narrativa da personagem que ele interpreta seja sobre uma criança negligenciada e adoecida, ciente das piores maldades do mundo — e tão inclinada a desistir de si mesma e permanecer num estado de inércia; trancada em um hospital, perdendo sua juventude.

Figura 8: Penas caem sobre Jimin enquanto ele sorri.
Fonte: Pinterest. Acesso em: 02/10/2020

Nota

1. Arboreto Grass Flower: bosque no qual Jimin se perdeu após um passeio escolar. Estava chovendo e ele encontrou apenas um depósito para se abrigar, mas lá presenciou outra criança sendo vítima de maus-tratos. Jimin fugiu antes que o agressor lhe encontrasse, mas o trauma desencadeou as convulsões que o fizeram ser internado em um hospital psiquiátrico.

Referências

BIGHIT Entertainment. The Notes 1: The Most Beautiful Moment in Life. Seul: beORIGIN, 2019.

BIGHIT Entertainment. The Notes 2: The Most Beautiful Moment in Life. Seul: beORIGIN, 2020.

CHEVALIER, Jean; GHUEERBRANT, Alain. Diccionario de los símbolos. Barcelona: Grafesa, 1986.

HESSE; Herman. Demian. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

JIMIN. et al. Lie.  Seul: BigHit Entertainment, 2016.

‘FAKE LOVE’ teaser 1. Direção de YongSeok Choi. Seul: BigHit Entertainment, 2018. 1 vídeo (1min54s.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=BP71K87Hp5Y&lc=UgzpgFOJqCYvp4aD-td4AaABAg. Acesso em: 02 out. 2020.

Gênesis. In: STARNIOLO, Ivo (Trad.). Bíblia Sagrada: edição pastoral. São Paulo: PAULUS, 1991.

LIE. Direção de YongSeok Choi. Seul: BigHit Labels, 2016. 1 vídeo (2min33s.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_y8-HD5O69g. Acesso em: 02 out. 2020.

OVÍDIO. Metamorfoses. São Paulo: Editora 34, 2021.

RUN – Japanese Ver. Direção de YongSeok Choi. Seul: BigHit Entertainment, 2016. 1 vídeo (3min55s.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=a16gTN7kOWU. Acesso em: 02 out. 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MUITO MAIS

Bangtan Universe
A Narrativa Visual Na Linguagem Cinematográfica De Matrix No MV N.O do BTS

Acerca de algumas discrepâncias históricas, que não nos parecem estar de acordo com os princípios que tanto falamos e ouvimos em nosso meio social, devemos manter nossas dúvidas guardadas dentro de uma prateleira e esperar elas serem reveladas? Ou ainda devemos manter um senso crítico e questionador, que para uma sociedade moralista, o seu posicionamento seja subjugado como “rebelde e imprudente”?

Leia Mais
Bangtan Universe
Os sonhos de resistência e a Revolução dos Bichos contra as imposições coletivas

Em suma, “A revolução dos bichos” faz críticas à regimes totalitários e aponta a hipocrisia dos governantes que burlam as regras para benefício próprio. Observa-se que o livro demonstra os jogos de poder dos porcos, critica a censura e a manipulação das massas que ocorre com os animais. A educação mostra-se como um fator determinante na sociedade do livro, pois auxilia na compreensão da política e traz mais oportunidades.  

Leia Mais